Tag Archives: Comunicação. Convencimento. Gatilhos mentais. Influência. Linguagem. Oratória. Persuasão.

VOCÊ JÁ FOI INFLUENCIADO HOJE? PERSUASÃO E GATILHOS MENTAIS.
   5 de setembro de 2021   │     16:02  │  0

Por um lado, a persuasão é oposta da força e da necessidade, e o controlado é conduzido por aquilo que ele foi persuadido, e procede não por força, mas voluntariamente. Aristóteles.

Você já foi influenciado hoje? Sim. Gatilhos mentais já forma disparados hoje na sua mente? Com certeza. Positivamente ou negativamente? Não sei. Espero que o fato de você me dar a honra de estar lendo este texto se constitua em uma influência positiva.

Quantas vezes somos influenciados todos os dias?! Quantas mensagens recebemos cotidianamente em plena era da comunicação?! Este texto vai esclarecer o que significa influência, convencimento, persuasão e gatilhos mentais e o que tudo isto tem a ver com a sua vida. No final das contas, quero ajudar você a aumentar o seu poder de influência e a se livrar das más influências conhecendo um pouco mais sobre gatilhos mentais.

Influência, permita-se usar uma metáfora, é uma moeda cujo um dos lados é o convencimento e outro lado é a persuasão. Influência, conforme o dicionário Aurélio, significa ato ou efeito de influir, ação que uma pessoa ou coisa exerce sobre outra, prestígio, crédito, ascendência, predomínio, poder. Pois bem, o processo de influência consiste na ação de fazer fluir ideias para dentro da mente do outro. Esta influência pode se traduzir em convencimento ou persuasão.

O convencimento está relacionado à razão. Quando você fala para alguém usando dados científicos, por exemplo, da necessidade de se vacinar contra a Covid-19 para preservar a saúde e esta pessoa, só depois de ouvi-lo, adere a sua ideia e passa a concordar verdadeiramente como o que você disse, ela foi convencida. Entretanto, enquanto aquela pessoa não tomar a vacina, não foi persuadida. Como assim?

A persuasão consiste em realizar uma ação por conta da emoção. Por exemplo, caso você precise mostrar a pessoa em questão uma pessoa morta em um leito de hospital e provar para ela que o destino dela também pode ser a morte, caso ela não tome a vacina e. dominada pelo medo, ela toma a vacina. Aí houve persuasão.

Chaim Perelman (1996) no seu “Tratado da Argumentação: A Nova Retórica”, obra simbólica no estudo das técnicas de comunicação para líderes na atualidade, assim faz a relação entre linguagem e persuasão:

O objeto da Retórica antiga era, acima de tudo, a arte de falar em público de modo persuasivo; referia-se, pois, ao uso da linguagem falada, do discurso, perante uma multidão reunida em praça pública, com o intuito de obter a adesão desta a uma tese que se lhe apresentava.[1]

Contemporaneamente, da mesma forma, seja de forma presencial ou midiática, a influência persuasiva tem o intuito de obter a adesão da audiência e, para isto foca a emoção para levar-lhe a ação de comprar a ideia, o produto ou ao serviço que lhe é apresentado. Isto é feito, e sempre foi, através de gatilhos mentais. Mas, afinal o que são gatilhos mentais?

Gatilhos mentais são mensagens que disparam emoções na mente. Quando usados adequando-os ao público-alvo, os gatilhos podem levá-lo à persuasão pretendida pelo emissor da mensagem. A seguir, algumas características dos gatilhos:

✅ São personificados. Podem atingir a personalidade de um indivíduo ou de grupo. Pois é, o Neymar tem a sua própria personalidade e o conjunto de jogadores que formam a seleção brasileira também apresenta uma personalidade.

✅ Sendo mensagens, podem se manifestar na sua mente extrinsecamente e intrinsicamente, ou seja, essas mensagens podem vir tanto de emissores, humanos ou não, ao seu redor como da sua própria cabeça – você pode estar deitado de olhos fechados e, de repente, o seu inconsciente pode produzir pensamentos que lhe causem emoções – boas ou ruins.

✅ Essas mensagens podem vir de diversas formas. Através de palavras, imagens, sons, odores, experiências táteis Etc.

✅ Naturalmente os gatilhos mentais podem disparar emoções boas ou ruins. Que andemos em boas companhias e procuremos nos conectar com agentes sociais que nos façam absorver mensagens do bem para que sejamos influenciados positivamente. E, quando as mensagens forem negativas, que saibamos identificá-las e combate-las de forma consciente em nossa mente.

Quero concluir lembrando o que costumo dizer em sala de aula – e minha experiência é de mais de três décadas contribuindo com líderes de todas as áreas – que é possível vencer influenciando positivamente. Não obstante, estamos expostos há más influências o tempo todo.

Estamos expostos a influência através de gatilhos mentais usados inteligentemente para o bem e para mal. Assim, fiquemos atentos para sabermos quem são os emissores das mensagens a nós dirigidas e quais são as suas intenções. Nesse sentido, espero que as informações aqui postadas possam ajudar você, leitora e leitor, a conviver com o atual turbilhão de ideias que gravitam diante de vós.

[1] Chaïm PERELMAN. Tratado da Argumentação: A Nova Retórica. Tradução: Maria Ermantina G. G. Pereira. Editora Martins Fontes. São Paulo, 1996, p. 6.

Tags: