O discurso do presidenciável Lula
      │     11 de março de 2021   │     11:12  │  11

“O pessoal fala que eu sou negacionista. (…) Nunca fui contra a vacina”. Jair Bolsonaro.

Antes de falar do mais recente discurso do presidenciável Lula, quero citar o meu saudoso avô, Antônio Pinto de Vasconcelos, “filósofo” do interior do Ceará, lá pelas bandas de Jericoacoara, “Eu não sou contra nem a favor, muito pelo contrário”! Sobre este texto, um aviso deste jornalista: esta é uma matéria analítica com base científica. Destarte, isento de paixões políticas e focado em análise técnica de quem já ministrou cursos e palestras sobre COMUNICAÇÃO PARA LÍDERES em todo o Brasil (exceto Mato Grosso do Sul) – inclusive atendendo alunos que se tornaram governadores, senadores e ministros da república, dentre outros cargos públicos de relevância na política nacional – e também escreveu sobre o assunto em uma dissertação de mestrado, aprovada com louvor, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ.

Nesta quarta (10/03), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em sua primeira fala pública após a decisão do Ministro Fachin, do Supremo Tribunal Federal, que o tornou um cidadão elegível, agitou os bastidores do jogo político para as eleições presidenciais de 2022.

Estadista. Falou mostrando prestígio internacional ao citar suas conexões com inúmeros líderes do mundo inteiro, desde o presidente da Argentina, Alberto Fernández, passando pela prefeita de Paris, Anne Hidalgo, até o papa Francisco.

Presidenciável. Disse, como havia de fazê-lo, que não era candidato a presidência da república (Risos) e que uma possível candidatura dependeria de muitas conversas entre inúmeros setores da sociedade brasileira. Também falou de sua experiência como presidente destacando suas conquistas, é claro, como o sexto lugar na economia mundial, quando o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, passou o da Inglaterra e o da França.

Pandemia. Lamentou as vidas perdidas de tantos brasileiros, criticou o presidente Bolsonaro que, segundo ele, foi negacionista e apresentou uma postura contra a vacina. Declarou-se  um propagador da necessidade de tomar vacina e ainda disse que a atitude correta do governo federal em relação à pandemia teria sido, ainda em março de 2020, teria sido criar um gabinete de crise para gerenciar a situação, que envolvesse não só o próprio presidente e o ministério da Saúde, dentre outros,  mas também todos os governadores, secretários de estado da saúde, cientistas, além de outros grupos que pudessem ajudar na solução da crise.

Gratidão. Bem, nosso primeiro artigo aqui no blog da Gazeta Web (03/03/2021) tratou da importância, por parte do líder, de expressar gratidão. Assim Lula o fez, ou seja, agradeceu a inúmeras pessoas que o acompanharam e o acompanham em sua caminhada.

Duas curiosidades neste contexto. A primeira: o governador de São Paulo, João Dória. remarcou o horário de sua entrevista coletiva para iniciar após a fala de Lula. A segunda: o presidente Bolsonaro, em contraponto ao que foi dito por Lula, já declarou que não é negacionista  e que nunca foi contra a vacina.

Como líder que sabe o poder que tem ao falar em público, Lula se preparou e fez muito bem o seu primeiro dever de casa na sua volta à corrida presidencial. Entretanto, volto a citar o filósofo Antônio Pinto de Vasconcelos: “Muita água ainda vai passar embaixo desta ponte”!

 

Tags:, , , , , , , , , , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
11

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

    1. carlosconce Post author

      Olá, Paulo! Leia Chomsky (A ciência da Linguagem) e Reboul (Introdução à retórica). Obrigado por sua interatividade. Todos os comentários serão liberados, desde que não tenham tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral. Meu respeito a sua abordagem de viés opinativo.

      Reply
  1. Luiz Antônio Vasconcelos Rocha

    Perfeito Carlos!
    Percebi um discurso muito bem conectado com o momento e a situação que atravessamos, favorável as analogias feitas pelo ex presidente Lula, que por serem tão pertinentes, não soaram como mera conveniência. Do outro lado, lamentável o atual presidente negar sua inépcia, no tocante a vacina, também!

    Reply
  2. Flávio Augusto

    Faltou o caríssimo Professor, Carlos Conce, explicar a leviandade do discurso proferido, pois a anulação do processo judicial do ex-presidente, não toca um só cabelo nas dezenas de acusações que pesam sobre ele. O STF não tratou do mérito das ações penais, que serão novamente sentenciadas e certamente o condenarão novamente, mas tão somente que o Juízo daquele lugar não era competente. A propósito, achava que seu artigo sobre o indigitado discurso era algo científico, analisando as técnicas utilizadas pelo locutor. Infelizmente, não é isso que se vê.

    Reply
    1. carlosconce Post author

      Oi, Flavio! Grato pelo caríssimo. Fiz uma abordagem cognitiva na linha de “análise de discurso”. Esta é uma linha científica no contexto da ciência da comunicação. Veja Chomsky (A ciência da Linguagem) e Reboul (Introdução à Retórica). Grato por sua interatividade. Meu respeito ao viés opinativo do seu comentário. Todos os comentários e opiniões são bem-vindos aqui.

      Reply
  3. Antonio

    Eis aí a diferença entre um grande líder, que cresce nas adversidades, e um tresloucado, aquém das responsabilidades as quais o destino lhe impõe.

    Reply
  4. Rafael

    O discurso do Lula foi histórico! O mais importante que já fez, elogiado por aliados e opositores. Diferente de um cara que discursou por 6 minutos em Davos, passando vergonha internacional.

    Reply
  5. Edmilson Soares Nobre

    Análise muito pertinente e coesa com os fatos e a estatura de um líder que sabe onde quer chegar.
    Parabéns pela brilhante análise meu amigo e Mestre Carlos Conse.
    Forte abraço
    Edmilson Nobre

    Reply
  6. SEBASTIÃO

    A EXPRESSÃO ESTADISTA DEVE SER CITADA COM MUITO CUIDADO, NÃO PODEMOS CONFUNDIR AS FIGURAS ILUSTRES DA NOSSA HISTORIA, GHAND, DE GAULLE; CHURGHILL, ABRAHAH LINCOLN,JUSCELINO KUBITSCHEK,QUE GOVERNARAM SEUS PAÍSES COM DESTEMOR E AMOR A PÁTRIA. O EX PRESIDENTE LULA NÃO AGIU DESSA FORMA, ELE GOVERNOU PENSANDO NUM PROJETO DE PODER, PROTEGENDO SEUS APANIGUADOS INSTALADOS NAS ESTATAIS E MINISTÉRIOS ESTRATÉGICOS NA ESPLANADA.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *